'>

SIGA-NOS NO FACEBOOK

11 mitos que muitos acreditam que acontecem

Alguns mitos que ouvimos como verdades científicas. Muitos podem até serem plausíveis, porém, não há comprovação científica.

Um cientista realizou o seguinte experimento: gritava com um gafanhoto e o inseto pulava. Retirava então uma perna do bicho e gritava novamente e ele novamente pulava. Repetia o processo até o gafanhoto não ter mais pernas. Assim, ao gritar o bicho parara de pular. Conclusão do cientista: o gafanhoto ouve pelas pernas.
Essa anedotada ilustra como algumas conclusões de experimentos pseudo-científicos passam a habitar o imaginário popular e vão se alastrando como verdades da ciência.
Assim, como somos bombardeados diariamente com inúmeros estudos pesquisas que se contradizem a todo instante, devemos optar por seguirmos recomendações baseados no bom senso e intuição, ou seja, confiar na sorte (alguns diriam confiar em Deus, que seja, na falta da lógica e da razão o vácuo de certezas que nos desequilibra é rapidamente ocupado pela fé e pelas supertições). 
Então aí vão alguns mitos que não se confirmaram (pelo menos na opinião de alguns estudiosos):

Mito 1: Ler com pouca luz faz mal à visão.
Fato: Não há comprovação científica. 
Pesquisadores, da Universidade Escola de Medicina de Indiana, em Indianápolis, tentaram averiguar a verdade de premissas como o mito acima e os resultados, publicados na revista científica British Medical Journal, sugerem que essas crenças ou são falsas ou não contam com evidências suficientes para serem comprovadas cientificamente.

Mito 2: Beber oito copos de água por dia faz bem.
Fato: Não há comprovação científica. Os pesquisadores disseram não ter encontrado evidências de que beber oito copos de água faz bem para a saúde. Os estudos sugerem que o consumo adequado de líquidos é alcançado pela ingestão de sucos de fruta, leite, café e chá.

Mito 3: usamos apenas 10% de nosso cérebro.
Fato: essa crença também não parece ser verdade. De acordo com a pesquisa feita em Indiana, não há nenhuma parte do cérebro "completamente inativa" e exames feitos no cérebro "falharam ao não conseguir identificar os outros 90% que não funcionam".

Mito 4: Unhas e cabelo continuam crescendo após a morte.
Fato: Não há comprovação científica. A teoria de que cabelos e unhas continuam crescendo em defuntos pode ser apenas uma "ilusão de ótica" devido à retração da pele após a morte.

Mito 5: Comer à noite engorda.
Fato: Comer muito engorda. Comer à noite engorda tanto quanto comer qualquer hora do dia.
Os autores Rachel Vreeman e Aaron Carroll analisaram várias pesquisas por trás desses mitos, para provar que, na verdade, muitos não têm fundamento científico.
Para contestar o mito de que comer à noite engorda mais, eles citam o resultado de uma pesquisa realizada na Suécia com 177 mulheres.
Ela constata que as mulheres obesas comem mais à noite do que as não obesas, e que isso ocorre simplesmente porque elas faziam mais refeições. 

Mito 6: ressaca tem cura.
Fato: a única forma de evitar a ressaca é bebendo com moderação.
Depois de consultar vários estudos sobre o assunto, Vreeman e Carroll concluíram que esse é outro mito. Embora bananas, aspirina, e até uma cerveja sejam recomendados para combater os efeitos do excesso de álcool no temido "dia seguinte" isso não se sustenta.

Mito 7: o açúcar deixa as crianças hiperativas.
Fato: o açúcar não é o responsável pelo descontrole das crianças.
Pelo menos 12 estudos já foram feitos para examinar como as crianças reagem ao açúcar e nenhum deles conseguiu detectar qualquer diferença de comportamento. 
Os cientistas até estudaram a reação dos pais ao mito do açúcar. Quando os pais crêem que seus filhos tomaram bebida com açúcar, eles avaliam o comportamento dos filhos como mais hiperativo. A diferença no comportamento das crianças está na cabeça dos pais.

Mito 8: os suicídios aumentam no período de festas.
Fato: Nada a ver. Sem comprovação científica.

Mito 9: a poinséttia (planta de folhas verdes e vermelhas, usada na decoração nesta época do ano, principalmente no hemisfério norte) é tóxica.
Fato: Não há estudos que comprovem (isso não quer dizer que você deveria usar essa planta na salada).
poinséttia
Mito 10: usar chapéu é fundamental para manter o corpo aquecido porque a cabeça é a parte do corpo que mais libera calor.
Fato: O calor do corpo, dizem os autores, é liberado proporcionalmente por todas as partes do corpo descobertas.

Mito 11: A sociedade moderna dorme pouco. As pessoas tendem a dormir mais nos fins de semana ou nas férias para compensar o sono acumulado durante a semana.
Fato: Não é só porque dormimos além das horas habituais no sábado e no domingo que precisamos de horas extras de sono. Nós já comemos e bebemos além das nossas necessidades biológicas. Por que não faríamos o mesmo com o sono?

É claro que devemos sempre desconfiar das pesquisas e desenvolvermos, sempre que possível, nosso discernimento do que é comprovado e do que não é (ainda que a tese possa ser plausível). O que normalmente não é fácil.
Também deveríamos sempre buscar saber os interesses de quem financia a pesquisa divulgada (o que pode aumentar a suspeição sobre os resultados obtidos).
Por exemplo, eu sei que café não me faz bem. Parece atacar o estômago. Aí aparece uma propaganda de duas páginas na Veja patrocinada pelo governo dizendo justamente o contrário: que café não faz mal para o estômago, ajuda a melhorar a concentração, emagrece etc. Não vou passar a beber mais café por conta disso (aliás pretendo passar a beber chá em 2009), admito que não posso servir como uma benchmark para generalizar os benefícios ou os males do café. Mas também não acho que a propaganda está dizendo tudo. Quer ver a diferença entre uma propaganda e um estudo? Veja uma propaganda de um remédio e a bula de um remédio. 
Mas atenção! A ausência de evidência não deve ser confudida com ausência de efeito.
Fonte: 
'Mito' da falta de sono é preguiça intelectual, diz especialista - BBC Brasil
Comer mais à noite não engorda, dizem cientistas - Terra
Cientistas americanos desfazem 'mitos' da crença popular - BBC Brasil

15 terríveis monstros pré-históricos

Que Tiranossauro Rex que nada! Talvez as mais interessantes (e mais apavorantes) criaturas pré-históricas não sejam tão conhecidas. Confira essa lista com 15 terríveis monstros que não são tão famosos quando o T-Rex ou o Velociraptor:
1. Estemnosuchus:
Um dos mais bizarros animais pré-históricos. Apesar de se parecer com um dinossauro ele é um parente mais próximo dos mamíferos. Ele tinha o tamanho de um rinoceronte, um chifre sobre seu nariz e gloriosas antenas no topo de sua cabeça – na verdade eram chifres também, mas seu formato era como as “antenas” de uma girafa. Também haviam estranhos ossos saindo de suas bochechas (e ninguém ainda sabe ao certo para que elas serviam).

O Devorador

1 de março: Bem, estou odiando escrever neste diário, mas é a única coisa que me acalma. Quando a piscólóga disse em "diário" pensei logo em garotas.
2 de março: Hoje minha mãe disse que iria dormir fora. Gostei da ideia de ficar sozinho em casa. Também fui no escritório e achei um livro bem interessante. O título da um pouco de medo: O Devorador. Porém estou muito animado para fazer um ritual que esta aqui, para invocar esse tal devorador. E claro que eu não acredito nessas coisas de fantasmas nem nada, mas estou para lá de curioso .
3 de março: Chamei meu amigo hoje para fazer o ritual. Fizemos o pentagrama, acendemos velas e falamos aquelas coisas esquisitas que estava escrito para falarmos. Foi estranho porque tivemos um sonho beeem medonho.. Haviam cabeças de crianças arrancadas murmurando: "Ele vai te pegar. Vai te matar. Vai levar sua cabeça como prêmio. Vai te devorar."  De repente apareceu uma voz dizendo: "Ele era um homem casado. Era feliz. Certo dia ele quiz comer alguma coisa. Pediu para sua mulher que fosse ao mercado comprar algo. A mulher foi e quando chegou o homem, com orgulho, matou a mulher, esquartejando-a inteira. Depois, comeu todos os orgãos ainda frios, ainda crus. O filho que observava tudo aterrorizado também foi devorado. O diabo ficou tão feliz com a gula macabra do homem que o trasnformou em um demônio 'O devorador'. Agora que você sabe minha história, irá morrer. Será levado. Agora que você sabe o nome daquele que nunca deve ser nomeado, deve ser morto. Deve ser saboreado. Deve ser esquartejado." Acordei totalmente aterrorizado. Estavamos eu e meu colega, deitados no sofá. Minha mãe riu. Falei para meu amigo o que eu havia sonhado. Ele disse que teve o mesmo sonho. Olhamos para o chão da sala. Não havia velas, não havia o pentagrama nem o giz. 
Tudo desapareceu.
4 de março: Ai não! Ai não! Meus pais estão mortos, ele os matou! A cada badalada do relógio ele chega mais perto, farejando meu medo ! Por que, por quê???!
Agora, você sabe quem ele é. Sabe o que ele faz. Agora, é sua vez.

Foto de Celular


“Anos atrás, a prima do meu amigo (uma mãe solteira) ganhou de aniversário um novo celular. Após um longo dia de trabalho ela pôs seu celular na mesa e começou a assistir TV, quando, após vir do colégio, seu filho veio a ela e perguntou se ele poderia brincar com o aparelho novo. Ela permitiu, mas disse a ele que não ligasse para ninguém ou mandasse mensagens de texto, ao que ele imediatamente concordou. Por volta das 11:20 da noite, quando ela se cansou de assistir TV, decidiu chamar seu filho e ir dormir. Andou até o quarto dele, apenas para ver que ele não estava lá. Então foi para seu próprio quarto para achá-lo dormindo em sua cama com o celular na mão. Navegando por seu celular, ela percebeu apenas pequenas mudanças como um novo papel-de-parede, toque de chamada, etc. e navegou para a seção de fotos. Começou deletando as últimas fotos pegas até quando chegou à última imagem. Quando viu aquilo pela primeira vez, não pôde acreditar. Era seu filho, dormindo em sua cama, mas era como se a foto tivesse sido tirada por alguém além dele. Era a metade esquerda de algo que aparentava ser o rosto de uma mulher idosa.”

Os 10 Principais loucos da Historia

Dos levemente excêntricos aos totalmente malucos, estas 10 personalidades hiperinteligentes não só seguiam seu próprio ritmo como também criaram seu próprio tom, mudando a forma como enxergamos o mundo. Conheça os nomes – e as principais “originalidades” – desses gênios de todos os tempos eleitos pelo New Scientist .


1 - Johann Konrad Dippel

Nascido e criado no Castelo de Frankenstein, Johann Dippel foi a inspiração personagem lendário de Mary Shelley , batizado com o nome do castelo. Nesta imagem , uma das versões cinematográficas da história do Dr. Frankenstein. Fonte: Getty Images.
Nascido e criado no Castelo de Frankenstein na Alemanha, o alquimista do século 17 Johann Dippel se tornou conhecido como o inventor do ‘Azul da Prússia’, um dos primeiros corantes químicos sintéticos, mas ficou mais famoso por sua interminável busca por elixires da imortalidade. Rumores de experimentos com cadáveres humanos podem ter inspirado o personagem lendário de Mary Shelley que levou o nome do castelo.
2 - Wernher Von Braun
Von Braun foi o cérebro por trás do programa de foguetes V-2 de Hitler. Fonte: Getty Images
Aos 12 anos, o intrépido Wernher Vou Braun carregou seu carrinho de brinquedo com um tipo de fogo de artifício e o disparou por uma rua alemã movimentada. Era um sinal do que estava por vir. O cérebro por trás do programa de foguetes V-2 de Hitler chegou aos Estados Unidos como prisioneiro de guerra e acabou se tornando o campeão do espaço e da exploração lunar no país. Enquanto enviava pessoas à lua, Von Braun também dominou o mergulho e a filosofia.


3 - Robert Oppenheimer

Robert Oppenheimer. Fonte: Getty Images
O mandachuva do Projeto Manhattan – projeto que desenvolveu a bomba atômica americana - nunca demonstrou reservas sobre sua simpatia pelo socialismo e seus sentimentos contraditórios a respeito do lançamento das bombas atômicas e, por isso, acabou perdendo seu poder acadêmico e político. Apesar dessas controvérsias, ele também é lembrado como um homem que seus alunos chamavam de "Oppie", que aprendeu holandês e sânscrito porque quis e que citou um texto sagrado hindu ao ver o primeiro teste atômico.

4 - Freeman Dyson


Freeman Dyson em seu escritório. Fonte: The New York Times

Respeitado físico nuclear e prolífico escritor, Freeman Dyson surge como o sonho de um escritor de ficção científica. Em 1960, ele alardeava a ideia de que os humanos do futuro talvez precisassem construir uma estrutura artificial, hoje chamada Esfera de Dyson, que circundaria o sistema solar inteiro e faria uso máximo da energia do Sol. Dyson acredita plenamente em vida extraterrestre e que faremos contato dentro de poucas décadas.

5 - Richard Feynman


Richard Feynman. Fonte: Nobel Prize/Reprodução

Integrante da equipe de gênios do Projeto Manhattan que desenvolveu a bomba atômica, o físico Richard Feynman acabou se tornando um dos mais importantes cientistas do final do século XX. Longe do típico professor convencional, essa alma livre explorou a música e a natureza, decifrou os hieróglifos maias e em seu tempo livre arrombava fechaduras.

6 - Jack Parsons


Jack Parsons foi um dos grandes responsáveis pela evolução da corrida espacial norte-americana durante a Guerra Fria. Na foto, foguete é lançado em Cabo Canaveral, EUA.  Fonte: Getty Images



























Quando Jack Parsons não estava ocupado ajudando a fundar o Laboratório de Propulsão a Jato, ele praticava mágica e se chamava de Anticristo. Esse misterioso rapaz rebelde do programa especial não teve educação formal, mas conseguiu desenvolver um combustível de foguetes que orientou os Estados Unidos pela Segunda Guerra Mundial e pelo espaço. De forma trágica, embora apropriadamente dramática, Parsons morreu numa explosão durante um experimento de laboratório em sua casa em 1952.

7 - James Lovelock


James Lovelock erigiu a chamada Hipótese de Gaia, segundo a qual a Terra é pensada como um grande organismo vivo. Fonte: Getty Images

Esse moderno cientista ambiental e inventor da Hipótese Gaia – que vê o mundo como um superorganismo - apresentou por décadas previsões terríveis sobre mudança climática e nosso planeta, muitas das quais se tornaram realidade. Ele não tem medo de espalhar outra previsão ultrassombria: considerando a atual crise ecológica, ele acredita que um extermínio massivo de cerca de 80% dos humanos até 2100 será inevitável.

8 - Nikola Tesla


Nikola Tesla. Fonte: Getty Images

Esse é o cara que você imagina puxando uma chave elétrica gigante em meio a uma chuva de fagulhas brilhantes. Tesla, que recebe os créditos por ter inventado o rádio e os geradores de corrente alternada que iniciaram a era da eletricidade, nasceu, adequadamente, durante uma violenta tempestade elétrica em 1856. Ele também foi conhecido como um gênio da magia que dormia pouco e adorava fazer um bom espetáculo, frequentemente usando seu próprio corpo como condutor em apresentações públicas.

9 - Leonardo da Vinci


Leonardo da Vinci. Fonte: Getty Images

Entre as pinturas das obras de arte mais reverenciadas da Renascença, Leonardo da Vinci de alguma forma ainda encontrava tempo para explorar a excentricidade dentro de si. Os cadernos de anotações do italiano, a maioria manuscrita pela imagem de um espelho, são uma terra da fantasia de máquinas esquisitas e projetos brilhantes, muitos dos quais nunca se tornaram realidade e alguns que seriam construídos muitos séculos mais tarde, como seu rudimentar helicóptero.

10 - Albert Einstein


Albert Einstein. Fonte: Getty Images

Ele certamente tinha o cabelo de um cientista maluco. Um dos mais celebrados cientistas do século passado, Albert Einstein virou a física de cabeça para baixo com suas teorias da relatividade e fez enormes contribuições às áreas de gravitação e teoria quântica. Ele também gostava de velejar em dias sem vento, "só pelo desafio".


12 coisas que você provavelmente nunca vai ver!

nunca-vai-ver-01

Temos um comunicado importante para nossos queridos leitores: aproveite bem as imagens que vão ver nessa matéria, você provavelmente nunca vai vê-las ao vivo. E não é por que elas são fotos que foram tiradas em momentos certos, mas sim por que são fotografias tiradas de coisas totalmente surreais e não você não vê virando qualquer esquina da sua cidade.

Qual é o lado ruim de trabalhar na Rede Globo? Atriz que saiu da emissora revelou os detalhes

clarice_falcao_2_-_credito_lucas_bori
A atriz Clarice Falcão revelou em entrevista ao Programa Pânico, da rádio Jovem Pan, que trabalhar na Globo não foi uma de suas melhores experiências. “Foi horrível pra mim”, desabafa. No momento, ela divulga Desculpe o transtorno, filme que fez com o diretor Tomás Portella.